Chatbots: o futuro, agora!

Chatbots: o futuro, agora!

Chatbots, o futuro, agora!

Está aí mais um buzzword que tem rondado nossos dias com cada vez mais intensidade. Se você não costuma estar antenado aos assuntos relacionados a tecnologia, muito menos conhece as centenas de jargões e siglas, posso lhe garantir que trata-se do futuro, porém mais próximo das suas mãos do que pode imaginar.

Mas então o que são Chatbots?

Bem, vamos deixar mais claro? O termo chatbot surgiu da abreviação das palavras chatter e robot, e é utilizado para denominar os “robôs que conversam”. Os chatbots são provenientes da computação cognitiva, uma das ramificações da inteligência artificial que já foi discutida em outra postagem do nosso blog. Esses robôs, portanto, são capazes de compreender as intenções de um interlocutor em uma conversa e realizar interações por texto ou voz utilizando linguagem natural, isto é, utilizando a linguagem que estamos habituados a usar no dia a dia. Uma vez criados para atuarem em um determinado setor, os chatbots podem realizar interações tão transparentes que o interlocutor terá dúvidas se conversou com um humano ou com uma máquina.

E o que os Chatbots podem fazer?

Ainda não ficou claro? Então vamos tentar o seguinte: acredito poder afirmar que você já possui, ou possuirá em breve, uma forte participação digital. Estou certo? E quantas vezes por dia você acaba respondendo aos seus clientes, através das redes sociais, mensageiros ou site, aquelas mesmas perguntas? Pois bem, um chatbot poderia fazer isso enquanto você direcionaria seus esforços às demais atividades do seu negócio. Isso é tão verdade que a Gartner, empresa que realiza pesquisas sobre as grandes tendências tecnológicas no mundo todo, prevê que, até 2020, 85% das interações com clientes serão controladas por máquinas, ou seja, por esses robôs que conversam.

Erika, sua companheira financeira.

O Bank of America, por exemplo, anunciou no último trimestre de 2016 o lançamento da assistente virtual Erica, que auxilia os clientes do banco na tomada de decisão e fornece conselhos financeiros visando um melhor aproveitamento dos recursos desses clientes. Veja abaixo uma demonstração feita no lançamento deste chatbot:

Temos no Brasil, também, alguns bons exemplos que vão de finanças pessoais a serviços de entregas, como é o caso do Motoboy.com, primeiro chatbot brasileiro a ser aceito pelo Facebook. Utilizando o mensageiro da rede social é possível obter orçamentos e agendar entregas diretamente através do assistente.

Além de chatbots desenvolvidos para empresas, temos alguns interessantes com cunho social. Exemplos desses são o SOCORRE.ME, que responde a dúvidas sobre dependência química, o Meebo, destinado ao tratamento de problemas sociais e o Monitora, Brasil, que fornece informações sobre nossos deputados federais e senadores, todos através do mensageiro do Facebook.

Continua com dúvidas sobre os chatbots e suas possibilidades de aplicação? Entre em contato conosco que ficaremos felizes em esclarecê-las!


 

Gostou do conteúdo? Teve alguma dúvida?

Entre em contato e fale com um especialista!

 

Gostou? Então compartilhe!

Deixe uma resposta

Fechar Menu